Ortopedista especialista em Medicina Esportiva - Ipiranga e Pinheiros - Dra. Luciana Garms

Síndrome Compartimental Crônica induzida pelo exercício

A Síndrome compartimental crônica é uma doença muscular e nervosa que pode ser desencadeada pelo exercício

07 de julho de 2017 às 09:07 por Luciana Garms

A Síndrome Compartimental Crônica(SCC) é uma doença muscular e nervosa e pode ser desencadeada pela atividade física. Os sintomas mais comuns são a dor e o inchaço da musculatura afetada, podendo causar deficiência funcional da mesma. 

A SCC pode acometer qualquer indivíduo, entretanto é mais frequente em pessoas que praticam atividades físicas que envolvam impacto e movimentos repetitivos por tempo prolongado.

 O que ocorre nessa Síndrome é o aumento da pressão na musculatura que está contida e delimitada por uma estrutura chamada fáscia, que divide os músculos e estruturas neurovasculares em compartimentos. Pode ocorrer em braços ou pernas ( região anterior e posterior de pernas são os locais mais frequentes). Ao repouso o atleta não sente dor e desconforto, pois a pressão desses compartimentos é normal!

 Ao iniciar uma atividade esportiva, essa pressão aumenta, há diminuição do fluxo de sangue e aumento dos estímulos nos receptores nervosos sensitivos e de pressão localizados nos músculos, desencadeando a dor. A característica da Sd. compartimental crônica é a dor em queimação e "peso" no membro afetado, acompanhado ou não de dormência ou formigamento , fraqueza e inchaço local.

Primeiramente os sintomas começam após o início dos exercícios e pioram progressivamente, diminuindo logo após a parada do mesmo. Com o decorrer do tempo, os sintomas podem persistir alguns dias mesmo após o término da atividade física .O atleta pode ficar assintomático parando completamente os exercícios, mas essa melhora é apenas temporária. Retomando as atividades, os sintomas voltam.

A condição é mais comum em algumas situações: atletas com menos de 30 anos/  exercícios que envolvam atividades de maior impacto repetitivo e prolongado, como a corrida / na Sd. overtrainning onde ocorre aumento do volume e intensidade de treino /  uso de esteróides e/ou suplementos podem aumentar o risco para o desenvolvimento da doença por alterações metabólicas e circulatórias /a biomecânica da corrida pode também ser fator importante para desenvolver SSC por alterações mecânicas e de desenvolvimento específicos do exercício.

O exame físico para detectar a Sd. compartimental crônica é frequentemente norma! O exame de Ressonância Magnética é utilizado para avaliar a estrutura dos músculos nos compartimetos e descartar outras causas (por exemplo as lesões e fraturas por estresse). O tratamento inclui medicamentos para dor, alongamento e fortalecimento muscular, adequação de treinamento, tratamento adequado multifatorial quando o atleta está em overtrainning, avaliação da biomecânica e adequações necessárias, mudança de atividade física durante o tratamento ou associação de outra modalidade esportiva para diminuir o estresse local.

Em casos refratários ao tratamento conservador está indicado a cirurgia, envolvendo procedimento de fasciotomia associado ou não a fascectomia. Nos dois casos o objetivo é deixar livre o compartimato preso pela fáscia muscular, permitindo que as estruturas musculares e neurovasculares possam se expandir com o aumento da pressão.

 A Sd. compartimental crônica desencadeada pelo exercício não é frequente , mas deve ser pensada diante de uma avaliação bem criterioza e cuidadosa do atleta por um médico especialista. A dor é sempre um sinal de alerta!

Editado em 22 Abr 2018